Fim da Moratória Pública – Quanto vai pagar?

Escrito por Cláudia Oliveira

09.08.21

}
5 min de leitura
Fim moratórias

Com o fim das moratórias chega também a necessidade de começar a fazer algumas contas. Neste artigo explicamos-lhe como pode calcular quanto vai começar a pagar relativamente aos seus créditos.

Disponibilizadas em março de 2020, no início da pandemia da COVID-19, as moratórias de crédito foram alvo de muitas prorrogações e alterações. Contudo, aproxima-se agora o fim das moratórias públicas e isso significa que milhares de famílias voltam a ter que pagar os créditos. Recordamos que, ao abrigo desta medida, era possível o suspender temporariamente o pagamento das prestações de um empréstimo. Porém, isso não significa um perdão da dívida  Se está nessa situação, então chegou a altura de começar a fazer contas e perceber quanto é que vai ter que pagar com o fim das moratórias.

Quanto vai pagar com o fim da moratórias?

O valor que vai começar a pagar da prestação vai depender do tipo de moratória que escolheu. Ou seja, se optou por continuar a pagar os juros e suspendeu a amortização do capital. Ou então se suspendeu a totalidade da prestação, incluindo os juros. Em qualquer um dos casos importa referir que, se usufruiu da moratória durante 6 meses, por exemplo, então o seu contrato de crédito vai prolongar-se por mais 6 meses. Esta condição é algo que deve ter em mente.

No caso de quem continuou a pagar juros e deixou de amortizar o capital, então com o fim da moratória volta a pagar o mesmo valor da prestação que pagava anteriormente (incluindo os juros). Neste caso, a alteração será apenas no prazo do crédito, como já explicamos. Ou seja, se beneficiou da moratória durante 6 meses, então o contrato de crédito será prolongado por mais 6 meses.

Se optou por suspender a totalidade da prestação, incluindo os juros, então significa que durante o período da moratória não pagou nada ao banco. Isso significa que, ao valor do montante do crédito em dívida terá de juntar o valor dos juros não pagos durante a moratória. Para isso, deve então consultar o extrato do crédito e somar o montante que ficou por pagar de juros. Imagine que pagava 100 euros de juros e beneficiou da moratória durante 12 meses, então terá de acrescentar 1.200 euros. Ou seja, se tinha uma dívida de 100.000 euros, passou a ter uma dívida de 101.200 euros. Na prática, a prestação mensal será então superior ao que pagava anteriormente.

Quando terminam as moratórias?

A data do fim das moratórias varia consoante a data de adesão e o tipo de moratória. Assim:

  • Se aderiu à moratória pública até 30 de setembro de 2020, a duração que estava prevista até 31 de março de 2021 foi alargada até 30 de setembro de 2021.
  • Se aderiu até 31 de março de 2021, a moratória tem a duração de nove meses, terminando no limite até 31 de dezembro de 2021.

Importa referir que as moratórias privadas já terminaram.

_

Leia também: Renegociar ou Consolidar Créditos – Qual a melhor opção?

Fim das Moratórias – Quais são as alternativas?

Se prevê dificuldades em pagar o seu crédito após a moratória, então não espere para agir. Deve começar já a procurar alternativas para evitar ficar numa situação financeira mais complicada. Deixamos a seguir algumas alternativas que pode e deve tentar:

1) Fale com o seu banco

Exponha o seu problema ao banco e tente renegociar a taxa de juro ou o alargamento do prazo do empréstimo. Mais tempo para pagar o crédito, significa uma prestação mensal mais reduzida.

2) Pondere transferir o crédito para outro banco

Sabia que pode transferir os créditos para um banco que lhe ofereça melhores condições? Transferir um crédito para outro banco pode representar uma poupança muito significativa. Atualmente já existem bancos a oferecer um spread de 1%, por exemplo. Se tem um spread superior, deve analisar se lhe compensa transferir o crédito para outro banco. No caso do crédito à habitação, por exemplo, também pode transferir os seguros associados, como é o caso do seguro de vida. Aliás, pode optar por transferir apenas os seguros e poupar um valor significativo. Entenda quanto pode poupar ao transferir o crédito à habitação.

3) Se necessário, recorra ao PARI e ao PERSI

Pode optar pelos mecanismos de apoio ao consumidor do Banco de Portugal – o PARI (Plano de Ação para o Risco de Incumprimento) e PERSI (Procedimento Extrajudicial de Regularização de Situações de Incumprimento). Estes mecanismos consistem na apresentação de planos de regularização do pagamento dos créditos. De forma simples, o objetivo é agilizar o processo de renegociação dos créditos junto do banco através das soluções que lhe explicámos anteriormente: alargamento do prazo ou redução das taxas de juro, por exemplo.

Aconselhamos que consulte o nosso artigo “Fim das Moratórias – Quais são as alternativas?” para entender melhor sobre estas e outras possíveis soluções.

_

Leia também: Como reduzir as prestações dos créditos: conheça 6 opções

 

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes

Comentar

Outros Conselhos do Consultor

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *