8 Conselhos para poupar no aquecimento da casa

Escrito por Cláudia Oliveira

09.11.21

}
6 min de leitura
Poupar Aquecimento

O aquecimento da sua casa é uma despesa muito elevada? Conheça 8 dicas que vão ajudar a reduzir essa despesa, sem abdicar do conforto do aquecimento.

Com a chegada do mês de novembro, os dias e as noites começam a ficar mais frescos, o que leva a que muitas pessoas começam a recorrer a diferentes soluções de aquecimento. Infelizmente em Portugal ainda são muitas as habitações com um isolamento térmico fraco, o que claramente tem um impacto significativo no conforto, mas também nas despesas com os sistemas de aquecimento. Para tentar ajudar a reduzir essa despesa, reunimos algumas dicas simples e fáceis de aplicar para poupar sem abdicar do aquecimento.

1) ESCOLHA UM SISTEMA DE AQUECIMENTO ADEQUADO À SUA CASA

Lareiras, ar condicionado, convector, termoventilador, emissor de calor…são algumas das opções para aquecer a sua casa. Mas qual destes é o mais económico e eficiente?

Segundo a DECO, “as soluções de aquecimento como os aquecedores portáteis (onde se incluem os termoventiladores, convectores, emissores e radiadores a óleo) são ainda uma das soluções mais procuradas pelo consumidor português, por ser mais barata. Contudo, acabam por aumentar a fatura da eletricidade e apresentam uma pegada ambiental (emissões de CO2) muito significativa”. Contudo, não existe uma resposta única para o melhor e mais económico sistema de aquecimento. Porquê? Porque isso depende das condições da habitação e as necessidades de utilização. A pensar nisso, a DECO desenvolveu um simulador que lhe permite especificar essas condições e encontrar a solução mais vantajosa:

DECO Simulador Sistema Aquecimento

Pode aceder ao simulador aqui. Depois, basta indicar alguns dados: zona do país onde mora, estações do ano em que precisa de climatizar a casa, tipo de habitação, número de divisões que pretende climatizar, entre outros. Por fim, o simulador apresenta-lhe uma sugestão de sistema, com os respetivos gastos que poderá ter.

Em todo o caso, deixamos um exemplo de consumo disponibilizado pela DECO:

Cenário 1: sistema de aquecimento para duas utilizações por dia, durante cinco meses:

DECO Simulador Aquecimento

Cenário 2: sistema de aquecimento para seis utilizações por dia, durante seis meses:

DECO Simulador Aquecimento

Neste caso, verifica-se que o ar condicionado é o sistema mais económico e também com menor pegada ambiental, para além de também permitir climatizar a casa no verão.. Logo a seguir temos as salamandras a pellets. Contudo, sabemos que o investimento em ar condicionado pode não ser para todas as carteiras. Por outro lado, a habitação pode não estar preparada para salamandras, o que também implica algum investimento. Na impossibilidade de conseguir investir nestas soluções, a DECO recomenda que “prefira os termoventiladores e os convectores aos radiadores a óleo, aparelhos de halogéneo ou emissores de calor. Além de serem mais rápidos a aquecer e de garantirem uma boa estabilidade da temperatura, são mais económicos”.

2) MANTENHA TEMPERATURA CONSTANTE

Uma das melhores formas de poupar no aquecimento é tentar que a casa mantenha uma temperatura constante. Os sistemas de aquecimento têm mais facilidade em manter a casa quente do que aquecer uma que está fria. Por isso, não é vantajoso ter a sala quente e o quarto gelado, por exemplo. Ao trocar de divisão e abrir as portas, o sistema terá um esforço adicional para tentar igualar a temperatura dos ambientes.

As variações abruptas da temperatura levam a um gasto superior de energia. Tenha isso em consideração.

3) DEIXE O SOL ENTRAR

Estar no inverno não significa que não existem dias com sol radiante. Por isso, deixe os estores das janelas erguidos durante o dia e deixe que o sol entre na casa. Assim a temperatura da casa vai aumentando sem qualquer custo.

4) JANELAS E PORTAS ABERTAS, SISTEMA DE AQUECIMENTO DESLIGADO

Esta dica parece-lhe óbvia? O problema é que esse erro é bastante comum, especialmente quando a casa é habitada por várias pessoas. Neste caso, voltamos ao problema que referimos anteriormente: as variações abruptas da temperatura levam a um gasto superior de energia. É importante manter as portas e janelas fechadas quando estiver a utilizar um sistema de aquecimento porque isso fará disparar o consumo. Dependendo do sistema de aquecimento, nesse situação haverá um esforça muito maior em manter a casa quente. Para além disso, pense na “conservação do calor”. Ou seja, mesmo que até não esteja a utilizar o sistema de aquecimento, ao abrir tudo vai perder o calor e a casa vai arrefecer.

Opte por abrir as portas ou janelas na altura do dia em que há mais sol e calor e apenas durante alguns minutos.

5) TROQUE DE ROUPA AO CHEGAR A CASA

Ao chegar a casa da “rua” em pleno inverno, é perfeitamente normal que sinta frio. O problema é que esse frio pode não ser da casa, mas sim ser o frio que sentiu na rua ou nos locais onde esteve. Problema disso? Liga os sistemas de aquecimento sem necessidade. Por isso, o nosso conselho é que troque primeiro de roupa e escolha peças mais quentes para estar em casa. Isso vai ajudar a aquecer o corpo, sem necessidade de ligar imediatamente o aquecimento.

6) RECORRA ÀS MANTAS

As mantinhas não podem faltar: além de aconchegar, aquecem e conservam a temperatura corporal. As de lã são muito aconselhadas porque geram calor devido ao isolamento térmico. Outras opções são as mantas polares, compostas de algodão e poliéster ou fibras sintéticas.

7) GARANTA O BOM ISOLAMENTO

Se ainda vai construir a sua casa, então opte por materiais com melhor isolamento. Se já tem a sua casa, então invista em janelas duplas ou de vidro duplo. Caso não consiga investir nestas alterações, certifique-se então que mantém todas as janelas e portas “tapadas”. Utilize os conhecidos “chouriços” para colocar nas portas. Também os pode colocar nas janelas ou utilizar outros materiais como a fita de espuma que ajuda a tapar as entradas do ar.

Já agora, se for comprar ou alugar casa, não se esqueça de pedir o Certificado Energético ao proprietário. Este certificado é um documento obrigatório que contém a avaliação da eficácia energética do imóvel. Ou seja, antes mesmo de comprar ou alugar, consegue saber antecipadamente se terá alguns problemas ao nível do isolamento, por exemplo.  Quanto melhor for a avaliação energética, menos vão ser os gastos de energia.

8) RECORRA AOS PROGRAMAS DE APOIO À EFICIÊNCIA

Sabia que existem programas de apoio à eficiência criados pelo Governo? Dependendo da sua situação financeira, pode-se candidatar ao:

  • Programa de Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis: criado para comparticipar despesas que promovam a renovação dos edifícios com o objetivo de os tornar energeticamente mais eficientes. Isso inclui intervenções para melhorar o isolamento térmico e o aquecimento/arrefecimento da casa. Este programa é aberto a qualquer pessoa;
  • Programa Vale Eficiência: visa combater a pobreza energética e reforçar a renovação dos edifícios. São entregues vales de financiamento de obras nas casas das famílias economicamente vulneráveis e em situações de carência energética. Tal como o programa anterior, também se inclui aqui as soluções para melhorar o isolamento e a climatização da casa.

_

Leia também: 8 Dicas para Poupar na Fatura de Eletricidade

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes

Comentar

Outros Conselhos do Consultor

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *