Começar a investir – Os conselhos da CMVM

Escrito por Conselhos do Consultor

19.04.24

}
6 min de leitura
Começar a Investir - Conselhos da CMVM

Quer investir mas não sabe por onde começar? Seguir os conselhos da CMVM pode ser uma boa ajuda.

Começar a investir pode ser um verdadeiro desafio para quem não tem o conhecimento necessário. Em todo o caso, o passo de decidir investir já é um bom começo. A partir daqui, é necessário estudar como funciona o mercado financeiro e definir uma estratégia de investimento. É importante que essa estratégia esteja alinhada com sua aversão ao risco. Lembre-se que os investidores têm diferentes perfis e é importante respeitar o seu. Se ainda está a dar os primeiros passos no mundo dos investimentos, sugerimos que comece por seguir os conselhos da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Começar a investir – Os conselhos da CMVM

A CMVM é uma entidade que regula e supervisiona os mercados de instrumentos financeiros com o objetivo de proteger os investidores. A par disso, a CMVM disponibiliza várias informações e conselhos para que os investidores tomem decisões ponderadas e responsáveis. No portal da CMVM encontra muita informação útil para investidores e também para profissionais inseridos nesta área. Para quem está a pensar começar a investir, a CMVM deixa algumas dicas essenciais:

1) Certifique-se que o intermediário financeiro está registado

Se já pesquisou algumas entidades com as quais pondera realizar o seu investimento deve, em primeiro lugar, confirmar se essa entidade está registada, ou seja, se não está perante nenhuma fraude. Para o fazer, deve aceder ao portal da CMVM e seguir o caminho Sistema de Difusão de Informação > Intermediários Financeiros

2) Garanta a qualidade da informação

Antes de tomar uma decisão, deve ter estes cuidados:

  • Ler todos os documentos que descrevem o instrumento financeiro;
  • Não assinar nada enquanto tiver dúvidas ou não compreender aquilo que é apresentado sobre as características do produto ou serviço;
  • Informe-se sobre o risco associado ao produto ou serviço;
  • Certifique-se que todas as informações que obteve estão devidamente descritas nos documentos que vai assinar. Isto é essencial caso precise de reclamar mais tarde pois irá servir de prova.

3) Conheça o seu perfil de risco

Os investidores não são todos iguais. Segundo explica a CMVM, “o intermediário financeiro deve preencher um formulário para avaliar o seu perfil de risco enquanto investidor”. As classificações mais comuns para o perfil de risco são:

1) Conservador ou prudente

Um investidor que procura produtos com a garantia do capital e das rendibilidades equivalentes às taxas de juro de curto prazo. Este investidor é avesso aos principais riscos, nomeadamente, de capital, rendimento e liquidez, e não suporta grandes oscilações no valor dos produtos. Assume preferência por investimentos de capital garantido, aos quais pode estar associado uma menor rendibilidade.

2) Equilibrado ou moderado

Este investidor tem preferência por produtos com garantia do capital investido. Porém, está disposto a assumir algum risco e alguma volatilidade, e procura, a longo prazo, obter uma rendibilidade acima das taxas de juro de curto prazo.

3) Arrojado ou dinâmico

Um investidor que procura uma rendibilidade superior à média do mercado. Está disponível tanto para aplicações de médio e longo prazo, bem como para suportar oscilações nos preços dos produtos e assumir o risco de perda do capital investido.

[Fonte: classificação e descrição dos perfis de risco disponíveis no portal da CMVM

É essencial que conheça e respeite o seu perfil de investidor. Isso vai permitir que descubra se tem mais ou menos aversão ao risco e, com base nisso, definir uma estratégia de investimento. Essa estratégia deve ser o mais responsável e adequada a esse perfil, sem esquecer o seu “objetivo de investimento e situação financeira, a sua disponibilidade para aplicações de curto, médio ou longo prazo, bem como os seus conhecimentos sobre os diferentes instrumentos financeiros”.

4) Diversifique os seus investimentos

A CMVM relembra a importância de “nunca colocar todos os ovos no mesmo cesto”. Na prática, isto significa que deve “investir em diferentes produtos financeiros, com graus de risco distintos, diversificando também em zonas geográficas e setores da atividade económica”. Com essa diversificação reduz o risco comparativamente à escolha de aplicar o dinheiro todo no mesmo produto.

5) Cuidado com os retornos garantidos

Promessas há muitas e no mundo dos investimentos isso não é diferente. Desconfie sempre das garantias de rentabilidades elevadas com pouco ou nenhum risco associado. “Todos os investimentos têm associado algum risco e a perspetiva de maiores retornos significa que estará a assumir também maiores riscos”.

6) Informe-se e quantifique comissões e custos

Comprar, vender e manter os produtos de investimento tem custos associados. Esses custos podem ser comissões, custos de transação ou de corretagem, de guarda de títulos (ou custódia / registo e depósito) ou de reembolso. Esses custos devem ser sempre avaliados e considerados pois têm impacto na rentabilidade do investimento. A CMVM aconselha a pedir várias simulações e uma quantificação rigorosa dos valores destes custos. 

7) Reconheça indícios de fraude

As situações de fraude não são assim tão raras. Para evitar essas situações, siga os conselhos da CMVM:

  • Duvidar de investimentos em que são prometidas elevadas rentabilidades e baixo risco;
  • Desconfiar de retornos muito acima da média do mercado;
  • Evitar tomar decisões precipitadas e desconfiar de pedidos de respostas rápidas, em particular associadas a temas complexos ou inovadores;
  • Obter o máximo de informação sobre a entidade e operações propostas e verificar se as entidades são registadas na CMVM;
  • Exigir respostas concretas a questões como: “Como conseguiram o meu nome e contacto?”, “Estão registados na CMVM?”, “Quais as comissões e custos nesta aplicação?”, “Podem enviar prospetos, fichas técnicas e propostas de investimento por email ou correio?”, “Qual é o risco?”
  • Evitar dar informação pessoal a pessoas ou entidades quando tem dúvidas quanto à sua idoneidade.

8) Preste atenção à conjuntura internacional

Na gestão dos seus investimentos deve acompanhar o que se passa na conjuntura internacional. Lembre-se que “a economia mundial está cada vez mais globalizada e essa realidade é ainda mais evidente no sistema financeiro”. Por isso, acompanhar o que se passa lá fora permite-lhe antecipar possíveis impactos nos instrumentos financeiros. 

_

Leia também: 11 Sugestões de livros para quem quer investir

Começar a investir – Lembre-se que “conhecimento é poder”!

Nunca é demais relembrar que o mundo dos investimentos exige um entendimento e acompanhamento constante de tudo o que se passa nos mercados financeiros. Quanto mais conhecimento tiver, mais fácil será tomar decisões vantajosas para a sua vida financeira.

A informação sobre investimentos é cada vez abundante e de fácil acesso. Aproveite essa facilidade para estudar e aprender. Contudo, lembre-se de ter uma atitude crítica e selecionar as fontes de informação. Acompanhar e questionar outros investidores também pode ser uma boa ajuda.

Sempre que tiver dúvidas ou precisar de expor alguma situação fraudulenta, pode contactar a CMVM.

Para consultar os conselhos que enumerados neste artigo na brochura “Dicas CMVM ao Investidor“.

 

_

O conteúdo apresentado não substitui a necessidade de consultar entidades especializadas no assunto.

Quer receber os nossos artigos em primeira mão? Junte-se ao nosso grupo de WhatsApp ou Telegram!

Siga-nos nas Redes Sociais

Para si | Artigos Recentes

Comentar

Outros Conselhos do Consultor

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *